Poesia Portuguesa

Poemas em Português



Poema Comunhão

Reprimirei meu pranto!… Considera
Quantos, minh’alma, antes de nós vagaram,
Quantos as mãos incertas levantaram
Sob este mesmo céu de luz austera!…

– Luz morta! amarga a própria primavera! –
Mas seus pacientes corações lutaram,
Crentes só por instinto, e se apoiaram
Na obscura e heróica fé, que os retempera…

E sou eu mais do que eles? igual fado
Me prende á lei de ignotas multidões. –
Seguirei meu caminho confiado,

Entre esses vultos mudos, mas amigos,
Na humilde fé de obscuras gerações,
Na comunhão dos nossos pais antigos.


Poema Comunhão - Antero Quental
 »