Poesia Portuguesa

Poemas em Português



Poema Viola

Ai, não morras de amor, de amor não morre
o amor que mata amor morosamente.
Não creias no que te arma de descrente
e sendo anti-socorro te socorre.

Naquela simples gala, justamente,
é início da pobreza – isto que morre
sendo amor que te mata e te socorre
no amor que mata amor, morosamente.

Há uma pressa escondida e inata nessa
morosa perda, amor, que de repente
te instiga a dar medida ao que não cessa.

Se te apraz dar socorro ao que socorre,
aceita o que te mata eternamente
e não morras de amor, que amor não morre.

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votes, average: 3,50 out of 5)

Poema Viola - Walmir Ayala
 »