Poesia Portuguesa

Poemas em Português

Villa Dei Misteri

Tiro os óculos e recua o mundo: torno à mais árdua intimidade. Diónisos ou Penteus, antes do sangue pesa já […]

O Escriba Acocorado

Sentado na pedra de ti próprio, não tens rosto, senão o que, de anónimo, a ela afeiçoou a mão que […]

O Livro Fechado

Quebrada a vara, fechei o livro e não será por incúria ou descuido que algumas páginas se reabram e os […]

Memória Consentida

Neste lugar sem tempo nem memória, nesta luz absoluta ou absurda, ou só escuridão total, relances há em que creio, […]

O Sono de Percival

O justo é injusto, o injusto justo é. Débil julguei ouvir tua voz a desoras. Um lamento lento, por certo […]