Poesia Portuguesa

Poemas em Português



Poema Ode II

Na curva insondável
entre a solidão e a multidão,
tomar a si e ao mundo
nas mãos,
e depois da atitude,
o claro testemunho.

Que o existir é esse instante
ousado
onde um ser incansável
depõe do seu rumo,

sem ter outra arma
e outra paixão
além da vida, esta morte
frágil.


Poema Ode II - Lupe Cotrim Garaude